Super-heróis e ficção x heróis e realidade: como balancear

Depositphotos_43550343_original-01
Histórias de heróis e contos de fadas fazem parte da infância e levam às crianças muito mais que entretenimento, podem ser ótimas ferramentas para ensinar diversos valores e lições que elas vão levar para a vida.

As crianças amam histórias porque estimulam sua imaginação, elas se identificam com os personagens e, assim, conseguem absorver melhor os ensinamentos; por exemplo, que é possível vencer obstáculos, que vale a pena ser bom e honesto, entre outros aspectos, lições e valores.

As histórias também podem auxiliar a criança a lidar melhor com alguns sentimentos e conflitos inerentes ao ser humano, como a morte, o envelhecimento, a luta entre o bem e o mal. Nas histórias, sempre temos desfechos otimistas, mesmo quando situações desagradáveis acontecem, e isso acaba ajudando a criança com seus medos internos.

Se por um lado as histórias infantis têm esse papel tão importante na formação das crianças, por outro cabe aos pais estabelecer o limite entre o real e o imaginário e ajudá-las a enfrentar as dificuldades da vida real.

Uma forma interessante é mostrar para as crianças que existem heróis reais, que podem não ter superpoderes, mas ajudam e salvam vidas, assim como nos quadrinhos.

Esses heróis reais estão o tempo todo auxiliando as crianças e pessoas do mundo, com boa vontade e dedicação: os próprios pais, professores, médicos, bombeiros são apenas algumas das personalidades e profissões que podem ser apresentadas para as crianças como heróis da vida real.

Uma visita ao Corpo de Bombeiros, uma conversa franca na próxima consulta ao pediatra, com o professor da sala de aula ou até mesmo as histórias de superação dos próprios pais ajudam a criança a ter contato com os heróis reais.

Use as histórias para entreter e ensiná-las, mas o equilíbrio é fundamental e saudável para o desenvolvimento de qualquer criança. Ao contar histórias, traga os exemplos para a vida real também e mostre às crianças que elas podem contar com pessoas que as protegem e também ajudam a salvar vidas.